EMASA e Águas de Camboriú adotam medida emergencial para solucionar água turva

A EMASA, em parceria com a Águas de Camboriú, iniciou nesta quarta-feira (22) a aplicação de orto-polifosfato na Estação de Tratamento de Água (ETA) de Balneário Camboriú. A medida emergencial será adotada durante três meses, para solucionar as ocorrências de água turva, causadas pela alta concentração de ferro e manganês na água, devido à estiagem.


O orto-polifosfato deve evitar a oxidação do ferro e manganês que causa a água turva; além disso vai auxiliar na remoção de incrustações na rede de distribuição. A partir de sexta-feira (24) a EMASA iniciará a aplicação de oxidante (proxxis) diretamente na Captação de Água. O processo fará a oxidação do manganês e permitirá a eliminação total durante o tratamento. “Com essa ação atuaremos diretamente na causa do problema, porque lá na captação já iniciaremos o processo de eliminação do manganês. Então, quando a água chegar na Estação de Tratamento, o manganês estará em flocos e ficará mais eficaz a sua remoção”, explicou o diretor técnico da EMASA, Sérgio Juk.

Como parte das ações, também será feita vídeo inspeção em pontos estratégicos da tubulação para avaliar a situação atual e traçar ações para diminuir as incrustações da rede. A EMASA também continuará realizando as descargas na rede, e segue com a ampliação do número de descargas, que triplicará de 50 para 150 pontos. No último mês, mais de 600 descargas foram realizadas.

Situações pontuais de água turva poderão ocorrer e devem ser comunicadas via 0800 643 6272. “Essas situações pontuais poderão ocorrer, porém em menor número, até que a água da tubulação seja eliminada e que a estiagem termine, por isso seguiremos com as descargas de rede sempre que necessário”, falou o diretor-geral da Emasa, Douglas Costa Beber.