Hospital Cirúrgico Camboriú completa um ano com mais de 800 cirurgias

A reabertura do Hospital Cirúrgico Camboriú (HCC) completa um ano nesse sábado, dia 29. A equipe da unidade, que possui atendimento vocacionado, oferta para a comunidade cirurgias eletivas – aquelas sem caráter de urgência ou emergência – pelo Sistema Único de Saúde (SUS) desde o retorno dos trabalhos.


Até o final de setembro deste ano, foram realizadas 860 cirurgias. O número total, computado no Sistema de Informação Hospitalar do SUS, inclui procedimentos gerais, como retirada da vesícula biliar, hérnia inguinal e extirpação de lesão de pele; cirurgias ginecológicas, como laqueaduras e remoção dos ovários, e urológicas – vasectomia e tratamentos de complicações nos testículos.

Os atendimentos ambulatoriais, por sua vez, até julho, chegam a 74.588. São ocorrências atendidas pelo Pronto Socorro anexo à estrutura, endoscopias e colonoscopias, exames radiológicos, cirurgias pequenas e vasculares.

“Camboriú ter um hospital vocacionado para cirurgias eletivas é algo muito importante. Nossos pacientes têm a comodidade de realizar os procedimentos no próprio município, realidade muito distante de algumas outras cidades. Hoje não temos praticamente fila de espera em cirurgia geral, por exemplo”, declara a secretária de Saúde, Elisama de Freitas.

Leandro Ritter Urrutia, de 43 anos, é um dos homens que fez uma vasectomia no hospital. Em julho, a atual esposa deu à luz ao terceiro filho do casal, quinto dele, o que reforçou no morador do bairro Santa Regina a vontade de realizar o procedimento. Ele procurou uma Unidade de Saúde do bairro em que mora, foi encaminhado para o HCC e, após entrevista com uma psicóloga, agendou a data. A cirurgia, segundo ele, foi em cerca de duas semanas.

“O atendimento que recebi durante todo esse processo foi ótimo. Tanto da equipe da Unidade de Saúde como do hospital. Fui bem atendido todas as vezes que precisei, não há como negar”, compartilha Leandro.

A moradora Luciana de Góes, de 39 anos, foi outra que, por opção própria, realizou um procedimento contraceptivo. A mulher tem quatro filhos e fez a laqueadura após cerca de quatro meses na fila de espera. “Não posso mais tomar comprimidos, por conta de problemas de estômago, então escolhi fazer a cirurgia. Todos que me atenderam foram bem profissionais, e não passei por nenhum desconforto ou falha”, comenta.

O prefeito Elcio Rogério Kuhnen não esconde a alegria de celebrar um ano de reabertura do hospital. “Ter retomado as atividades do HCC, com a unidade dedicada inteiramente ao SUS, é uma realização e um ganho imensurável para os moradores. Só quem aguardou meses por alguma cirurgia sabe a sensação após a realização do procedimento. Espero que a assistência ofertada no hospital melhore a cada ano, que possamos aumentar o número de atendimentos e, consequentemente, a série histórica, que será revertida em recursos”, aponta.