SC tem o menor número de jovens que não estudam e nem trabalham

Santa Catarina tem população estimada em pouco mais de 7 milhões de habitantes, a maior parte, 5 milhões, são eleitores. A maioria se declara branca: 82,5%. 


Apesar disso, o catarinense Ivan Leandro de Medeiros, assistente administrativo, filho de alemã com pai negro, destaca a diversidade como principal ponto forte do estado, além do povo acolhedor.

O turismo responde atualmente por 12,5% do PIB catarinense. O destino é famoso pela variedade geográfica, expressa em cenários atrativos para todos os gostos, desde serra a 500 quilômetros de praias, contornados por Mata Atlântica.

Os índices sociais de Santa Catarina estão entre os melhores do país, a começar pela área da educação. O percentual de analfabetismo é um dos mais baixos do Brasil: 2,6% e o de jovens que nem estudam nem trabalham é o menor: 14,3%.Porém, essa realidade não é tão distante da média nacional: 23% das pessoas na faixa etária de 15 a 29 anos são enquadradas como “nem nem”.

O público fora da escola geralmente é formado pela população de baixa renda, que acaba abandonando os estudos por não ter recursos, por exemplo, para deslocamento. A observação é de Ademir dos Santos, que atua no Departamento de Estudos Especializados em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina. O especialista sugere ações específicas quanto à gravidez na adolescência como uma das estratégias de combate à evasão escolar.

A taxa de desocupação no estado no segundo trimestre foi de 6,5% e o rendimento médio R$ 2.368. Com o sexto PIB mais alto do país, o estado se destaca nos setores de tecnologia, turismo, serviços e construção civil.

Também relevantes são as indústrias de papel, madeira, naval, moveleira, de alimentos e vestuário. É ainda o maior produtor nacional de cebola.

Quanto ao saneamento básico, a rede de esgoto de Santa Catarina atende a 57% das residências. A água encanada chega a cerca de 8 a cada dez moradias, assim como o serviço de coleta de lixo.

Na área de Segurança Pública, o Atlas da Violência revela que a taxa de homicídios é de 14,2 a cada 100 mil habitantes, a segunda menor do país, atrás apenas de São Paulo.