Camboriú conta com aplicativo que ajuda a comunicar vazamentos em vias públicas

Moradores de Camboriú já podem contar com a ajuda da tecnologia para identificar e comunicar vazamentos de água em vias públicas na cidade. Um aplicativo de celular criado pela Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina (Aresc) foi apresentado oficialmente nesta terça-feira, dia 2, para representares da Águas de Camboriú e prefeitura municipal. Criado com o apoio do Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina (Ciasc), a plataforma tem o objetivo de ajudar a reduzir perdas e potencializar a eficiência do sistema de abastecimento.


Em Camboriú, devido a um trabalho de Gestão e Controle de Perdas (GCP) realizado pela Águas de Camboriú, o índice de desperdício reduziu de 48% registrado no ano de 2016 para 25% no primeiro semestre de 2018. “Assim que o funcionamento do aplicativo estiver maduro na cidade, acreditamos sim que a plataforma irá somar esforços aos que a concessionária já realiza para combater vazamentos em todos os bairros”, observa o diretor presidente da Águas de Camboriú, Carlos Roma.

O aplicativo está disponível para download gratuito tanto para usuários de Android como do sistema IOS. Ao acessar a plataforma, o morador só precisa cadastrar nome, contato telefônico e relatar o tipo de ocorrência (vazamento de água) e o endereço é registrado automaticamente se o GPS estiver ligado. O último passo é o anexo de fotos do vazamento. Após o envio, a ocorrência é direcionada, por meio da Ouvidoria da Aresc, para a Águas de Camboriú.

Após o primeiro uso, quando o usuário já estará cadastrado, o procedimento dura de 30 segundos a 1 minuto. Segundo o gerente de regulação da Aresc, Silvio César dos Santos Rosa, o morador receberá uma notificação pelo aplicativo assim que a equipe terminar o serviço, qualificando o atendimento.

O prefeito de Camboriú, Élcio Kuhnen, elogiou a iniciativa da agência reguladora de incluir o município na ferramenta. “Tudo o que traz mais celeridade para reduzir perdas e melhorar o sistema é muito bem-vindo”, observa.