Vôlei Balneário Camboriú vive expectativa da estreia na Superliga Cimed 2018/2019

A elite do voleibol nacional foi forjada através de diversos cenários ao longo do tempo. Na temporada em que a Superliga completa 25 anos, o Estado de Santa Catarina, de tradição com equipes competitivas nas duas décadas passadas, além da formação de atletas promissores nas categorias de base, retoma sua caminhada através do Vôlei Balneário Camboriú, que debuta a partir desta sexta-feira (16) na maior competição do país, diante do Praia Clube, atual campeão. 

    Foto Diego Carvalho/VBC

Idealizado pela medalhista olímpica Elisângela Almeida, com supervisão da ex-atleta Ana Paula Ferreira (Fofinha) e tendo Mauricio Thomas à frente da comissão técnica, o desafio inicial do clube é a manutenção da vaga para 2019/2020, como expõe o comandante do time.

“Foi uma luta muito grande para trazer a equipe aqui para Santa Catarina e estamos enfrentando diariamente obstáculos. O nosso primeiro objetivo é permanecer na Superliga para que a gente possa dar continuidade no trabalho que já existe no Estado, um trabalho de formação de atletas, grandes treinadores e muito respeito pelas grandes conquistas que o Estado teve no voleibol. É a oportunidade de Santa Catarina respirar o voleibol novamente e levar o nome de Balneário Camboriú para mais de 100 países que recebem as transmissões da televisão, por exemplo. 

    Foto Diego Carvalho/VBC

Temos uma estreia diante do atual campeão, mas traçando um paralelo com eles mesmos, também começaram modestos e foram cumprindo suas metas passo a passo. Estão indo para a oitava temporada e a mais recente que apresentou um grande investimento, conquistaram o título e surgem como favoritas novamente. Então nos permitimos sonhar em médio prazo, mas precisamos também do apoio de investidores, que enxerguem o voleibol como o grande produto que é, como fez a Embraed, por exemplo, que abraçou nossa causa”, aponta Thomas.

Dentro de quadra, o sexteto inicial ainda não está definido pelo treinador. Foram três meses de preparação, com muito trabalho na parte física e técnica. Mesmo sem ritmo de jogo (três amistosos realizados), a força de vontade e superação serão os motes para a estreia, a fim de suplantar a ansiedade que o evento em si acarreta.